Movimento Ficha limpa

TSE indefiriu a candidatura de José Riva ao governo de Mato Grosso

riva

José Riva teve candidatura indeferida por votação unânime do TSE.

O deputado do PSD, José Riva, teve sua candidatura ao governo do Mato Grosso indeferida por unanimidade pelo Pleno do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na noite desta quinta-feira, 11. O TSE foi acionado por um recurso do próprio Riva após ter sua candidatura negada pelo Pleno do Tribunal Regional Eleitoral do Mato Grosso (TRE-MT) que o enquadrou na Lei do Ficha Limpa.

Mais cedo o TSE também barrou a candidatura do jornalista José Marcondes, o Muvuca, ao governo do Mato Grosso. Muvuca não prestou contas das suas campanhas eleitorais de 2010 e 2012, quando concorreu para deputado federal e vereador, respectivamente.

A situação do Mato Grosso

A saída de Riva e de Muvuca da campanha afeta o cenário no Mato Grosso. Riva estava em terceiro nas intenções de voto, com 13% e Muvuca era o último com 1%.

A corrida pelo governo do Mato Grosso tem agora somente três candidatos. Pedro Taques do PDT lidera as pesquisas com 43% das intenções, o segundo colocado é Lúdio Cabral,PSD, que vinha com 16% e o candidato do PSOL, Dr. José Roberto era o terceiro com 2%.

A assessoria de imprensa de Riva afirmou que o parlamentar decidirá seu futuro político ainda hoje. A decisão de Riva pode afetar diretamente a eleição do próximo governador do Mato Grosso.

A ficha de José  Riva

O deputado José Riva já tem contra ele 107 processos judiciais acumulados. Sua candidatura foi lançada 40 dias depois de ter sido preso pela Polícia Federal (PF) na Operação Ararath, que investiga um esquema de fraudes e transações ilegais no Mato Grosso iniciado em 2006.

Riva foi enquadrado pelo TRE na Lei do Ficha Limpa por ser condenado por crimes contra a administração pública. Riva foi condenado por desviar cerca de R$ 4 milhões emitindo cheques da Assembléia Legislativa do Mato Grosso para empresas de fachadas.

Esse foi o ponto “nevrálgico” do processo segundo o relator do processo, ministro João Otávio de Noronha, cujo voto contra o deputado foi acompanhado pelos demais ministros.